Facebook

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Polícia Civil de Salinas prende dois por estupro de vulnerável

Acusados publicaram as fotos dos atos libidinosos nas redes sociais
Na terça (12/09) a equipe da Polícia Civil de Salinas concluiu a investigação sobre dois crimes de pedofilia e estupro venerável praticados nos últimos meses de março e junho na cidade. Segundo o delegado Dr. José Eduardo os dois crimes foram cometidos contra a mesma vítima, uma adolescente de apenas 14 anos.

Além de estuprar a menor, os dois jovens acusados dos crimes, que não tiveram os nomes revelados, ainda publicaram as fotos dos atos nas redes sociais, gerando grande repercussão.

Diante dos fatos, o delegado abriu inquérito e deu início a operação "Don Juan", com objetivo de combater o crime de pedofilia em Salinas. "As investigações começaram quando a família da vítima teve ciência de que as fotos estavam circulando na Internet e resolveu procurar a Delegacia", destaca Dr. José Eduardo.

Quando as investigações chegaram aos autores que praticaram os atos libidinosos e transmitiram as fotos com os conteúdos ilícitos, os mesmos foram presos por meio de Mandado de Prisão Temporária e apresentados à vítima, que os reconheceu.

"Estamos próximos de concluir o inquérito, contudo as investigações continuarão no intuito de localizar e prender os suspeitos de terem armazenado, transmitido ou divulgado as fotos dos crimes. "Todos os identificados responderão pelo crime de pedofilia. Trata-se de um crime grave e que deve ser combatido", disse o delegado José Eduardo para a reportagem do Jornal Folha Regional.

10 comentários:

  1. alem de estuprar as garotas ainda jogam nas redes sociais tem que estuprar esses fdp la na sela tbm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você é contra o estupro não deveria desejar isso a ninguém!

      Excluir
  2. Parabens a equipe da PCMG de Salinas. Sempre dando resposta positiva a toda população. Polícia neles sempre! Pena máxima contra esses estrupadores

    ResponderExcluir
  3. nesse caso tenho minhas duvidas. Conheço os acusados, um deles frequenta minha casa. um rapaz trabalhador, honesto. Uma pessoa se revela pelo seu comportamento.Busque quem sao os acusados e quem é a vitima que vão saber a vdd. Tenho certeza que se houve algo entre supostos acusados e "vitima", foi pelo consentimento dela.

    ResponderExcluir
  4. conheço esses rapazes,também conheço a suposta 'VITIMA', duvido que eles tenham feito algo com ela que ela não tenha permitido...vitima? são eles

    ResponderExcluir
  5. O cidade pra ter baitola,pedofilo e cachaceiro.So Salinas mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. falou alguém de taiobeiras, que só tem bandido e todo dia morre um por causa do trafico

      Excluir
  6. Um tanto quanto tendenciosa essa noticia, a menina da encima de um caminhão de homens, trepa com deus e o mundo, manda foto pelada... ela não é vulnerável é safada!
    Os dois estão errados, sim!
    Mais errado é o bestolado que enviou os nudes para outras pessoas para apareçer!
    Agora todo mundo em Salinas, sabe que garotas de 14 anos hoje em dia transam é algo comum( não que seja correto, mas a situação é essa).
    Agora dois jovens que por um erro, que não é oque pareçe vão pagar a vida toda, se é que terão vida pos isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como você mesmo falou,juntamente com outros que postaram nessa reportagem, a garota tem 14 anos, e sim, perante a justiça é vulnerável, já os outros maiores de 18 anos, sento que um deles tem mais de 20, então, é cadeia mesmo, agora, não conseguem mulheres ou namoradas acima de 18 anos? É mais fácil uma de 14 porque não precisa de conversa pra conquistar né? e agora aparecem outros dizendo que não boas pessoas e que com certeza pra dizer isso sabiam do fato e são tão coniventes quanto, isso é, se já não "usaram" essa garota, não justifica aqui dizer quem está certo ou errado, a garota tem 14 e os "homens" maiores de idade, fato! Só outra coisa, o que pra você leitor do Folha Regional, é normal (garota de 14 transar) perante a justiça não é.

      Excluir