Facebook

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Falta de água resulta em derrota nas urnas e suicídio

Normadim obteve 102 votos e precisava de 122
A falta de solução para um problema que já se arrasta por mais de dez anos no distrito de Água Boa, de 1.600 habitantes, no município de Santa Cruz de Salinas, teve como consequência a derrota do vereador representante do povoado e o suicídio do seu filho de apenas 16 anos.

O drama está sendo vivido pelo vereador Normande Ferreira de Barros, o popular Normadim (PP). Ele foi candidato à reeleição, mas obteve apenas 102 votos, sendo que eram necessários 122. O motivo principal da derrota teria sido a falta de água na localidade. “Eu corri atrás pra resolver o problema, e com a ajuda do deputado Arlen Santiago, conseguimos recursos de R$ 1,5 milhão. A obra ficou pronta, mas a Copanor está enrolando demais para liberar a água pro povo”, lamenta Normadim.

A reportagem apurou que a Estação de Tratamento da Água (ETA) foi construída em propriedade particular sem o pagamento de indenização. A família dona do terreno pede R$ 30 mil de indenização, a Copanor propõe pagar R$ 10 mil. O caso está na justiça. “A obra está pronta, mas enquanto não indenizar à família, a água não é liberada”, explica o vereador, que viu nas urnas a revolta da população.

A falta de água no povoado e a derrota nas urnas não resumem o sofrimento de Normandim. Após o resultado das eleições, ele ainda deparou com o seu filho Josué Ferreira, de 16 anos, morto nos fundos da residência. O jovem teria ficado decepcionado com o resultado e suicidou com uma corda no pescoço. “Depois do resultado das eleições, começou um grande barulho nas ruas e Josué estava sumido, quando o achamos já havia ocorrida à tragédia”, lamenta o pai. 
Distrito de Água Boa possui 1.600 habitantes e há 10 anos convive com a escassez de água 

4 comentários:

  1. Não se pode culpar apenas um vereador pela falta dágua, alem do mais num momento tão dificio para ele e sua família.

    ResponderExcluir
  2. Meu povo vereador é apenas um fiscal do povo !

    ResponderExcluir