Facebook

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Polícia Civil prende quatro suspeitos de matar feirante

Mailson foi identificado através de retrato falado
Na manhã dessa quarta (17/08), a Polícia Civil de Rio Pardo de Minas prendeu quatro pessoas acusadas de envolvimento na morte do feirante Gercino da Silva Brito, de 27 anos, popular Gerson, ocorrida no último mês de junho. Os suspeitos são: Mailson Santos Dias, 27 anos; Rubéns Maciel Teixeira Chaves, 22 anos; Jaqueline Sá da Costa Lemos, 26 anos; e Verônica Sá da Costa Lemos, 22 anos.

Mailson foi preso na cidade de Patrocínio, já os outros três suspeitos foram presos na cidade de Rio Pardo de Minas. Todos são acusados de envolvimento na morte do feirante e também no desaparecimento do taxista José Antônio Mendes Chaves, 21 anos, de Janaúba. As investigações estão por conta das delegacias de Rio Pardo de Minas e de Janaúba.

Os investigadores chegaram aos suspeitos após quebra de sigilos telefônicos autorizados pela Justiça, bem como confronto das características do indivíduo que contratou serviço do taxista José Antônio, principalmente através do retrato falado, divulgado na imprensa. Também foram feitos monitoramentos de várias pessoas através das redes sociais.

Conforme a Polícia Civil, o principal responsável pelo crime é o eletricista Mailson Santos Dias, vizinho do feirante na cidade de Rio Pardo de Minas. A motivação teria sido passional, já que foram descobertas diversas mensagens do autor para a esposa de Gerson, identificada por Talita. Ele dizia nas mensagens que a amava e que não sabia o que fazer para esquecer o grande amor. Mailson teria separado da esposa, à época dos fatos, para ficar com Talita.

Foi apurado que o desaparecimento do taxista José Antônio ocorreu unicamente com objetivo de dificultar o trabalho da Polícia, já que a intenção de Mailson era dar cabo à vida do feirante Gerson. O eletricista saiu da cidade de Patrocínio e foi, sem o conhecimento de familiares, até Rio Pardo de Minas, para cometer o crime. Na noite do último dia 10 de junho, ele teria dormido na casa de Rubéns, Jaqueline e Verônica, e foram no dia seguinte à cidade de Janaúba para que Mailson contratasse o táxi.

Segundo apurado pela Polícia, Mailson pagou a quantia de R$ 3 mil pela participação dos demais envolvidos. Além dos mandados de prisão temporária, a Polícia cumpre também mandados de busca nas residências dos investigados, com intuito de localizar a arma do crime ou objetos pessoais das vítimas.

Até então, o taxista José Antônio não foi localizado e a polícia ainda apura se houve a participação de outras pessoas nos crimes.

Um comentário:

  1. Parabéns ao delegado e sua equipe fizera o um bom trabalho merecem o reconhecimento da população

    ResponderExcluir