Facebook

sexta-feira, 11 de março de 2016

Tarifa da Copasa deve subir 10,18%

Cidadãos poderão opinar antes do reajuste
A partir desta sexta (13), a Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae-MG) iniciou a Consulta Pública para recolher contribuições sobre a 1ª Etapa da Revisão Tarifária Periódica da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). Os resultados dos cálculos estimam um aumento médio de 10,18% nas tarifas de água e esgoto. 

Os interessados podem encaminhar comentários e sugestões até o dia 28 de março pelo e-mail: audienciapublica10@arsae.mg.gov.br.

Para a população, a principal mudança trazida pela Revisão será a adequação da estrutura tarifária, isto é, da forma como a cobrança é repartida entre os usuários. A atual política da Copasa considera como mínimo para faturamento o volume de 6 mil litros (6 m³) para todas as categorias.

Esse modelo será substituído pelo faturamento com dois componentes: Tarifa Fixa e Tarifa Variável de acordo com o volume real verificado. Esta última é progressiva, elevando-se com o nível de consumo do usuário. Assim, quem consome 0 m³ paga apenas a Tarifa Fixa no valor de R$ 13,87, para a categoria residencial normal, enquanto quem consome 5 mil litros (5 m³), por exemplo, paga o fixo mais a quantia relacionada ao consumo.  

Essas e outras alterações na estrutura tarifária do prestador fazem com que o impacto a ser sentido pelos usuários dependa da categoria e do consumo, sendo em média de 10,18%. No entanto, para os consumos abaixo de 5 mil litros (5 m³) haverá redução real na fatura, pois o aumento ficou abaixo da inflação geral sentida pela população. 

O morador de uma casa com gasto de 2 mil litros (2 m³) de água por mês e tratamento de esgoto deixa de pagar R$ 30,32 e passa a pagar R$ 29,10, uma redução de R$ 1,22. Já para o consumo de 10 mil litros (10 m³), acima do antigo consumo mínimo, e tratamento de esgoto, a fatura que era de R$ 50,54 sobe para R$ 58,72, um acréscimo de R$ 8,18.

Os beneficiários da Tarifa Social sentirão ainda mais os impactos positivos. Para as mesmas faixas de consumo e serviços prestados, o valor das contas que antes era de R$ 29,10 e R$ 34,36, respectivamente, altera para R$ 17,45 e R$ 40,32. Até dezembro de 2015, cerca de 680 mil famílias foram beneficiadas com a Tarifa Social.

Crise Hídrica e Redução da Receita - A queda no consumo de água e a redução da receita da Copasa devido à crise hídrica, em especial na Região Metropolitana de Belo Horizonte, agravaram o desequilíbrio econômico-financeiro na Companhia, o que contribuiu para a limitação da capacidade de investimento em saneamento e o comprometimento da expansão dos serviços em Minas Gerais.

Segundo a análise da Arsae-MG, a Copasa necessita de uma Receita Tarifária de cerca de R$ 4,62 bilhões no período de maio de 2016 a abril de 2017, para manter o equilíbrio econômico e financeiro.

5 comentários:

  1. Agora sim . foi mexer fedeu invés de resolver apareceu foi mais.kkk

    ResponderExcluir
  2. Traduzindo,,,,,, consumido se lascando

    ResponderExcluir
  3. Estão querendo recuperar os prejuízos com os vários caminhões que transportaram água para Taiobeiras... Somos nós que vamos pagar essa despesa, fruto dola incompetência da copasa.

    ResponderExcluir
  4. resumindo, nós taiobeirenses estamos ferrados! A COPASA não investe nada em captação aqui, ficamos 2 meses sem água e em 2016 ninguém fez nada para resolver os problemas... o rio Pardo está abaixando assustadoramente e a partir de meados do ano ficaremos sem água...
    o defeito do taiobeirense que está no fundo do poço é achar que está em crise, mas que a crise em Indaiabira, Berizal é maior.... acha que está menos ruim que os outros... Comparar-se com Berizal e outros é fácil.

    ResponderExcluir
  5. Vou dizer a verdade, acredito que o problema da Copasa é o famoso caixa 2 dos corruptos, a máfia petista em ação. Lavajato neles!

    ResponderExcluir