Facebook

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Assistente Social monta ‘Casa de Apoio’

Projeto atende gratuitamente acompanhantes de pacientes do Hospital de Taiobeiras
Com a ajuda de empresários e funcionários do hospital, popular Belinha mantém exemplar trabalho social

O ditado popular “fazei o bem sem olhar a quem” encaixa perfeitamente no projeto social idealizado e executado pela Assistente Social, Maria Isabel Pereira Matos, a popular Belinha, que, com a ajuda da enfermeira Nikelly Fernanda, de amigos, de médicos e de empresários, conseguiu montar uma casa para hospedar acompanhantes de pacientes que ficam internados no Hospital Santo Antônio. “Depois que o hospital se tornou referência de 16 municípios da região, percebi que muitas pessoas carentes vinham para Taiobeiras acompanhar os pacientes e não tinham onde ficar, causando muitos constrangimentos e sofrimentos. Diante disso, tive a ideia de montar a Casa de Apoio para acolher essas pessoas”, explicou Belinha. “Um dia, encontrei uma moça de Ninheira chorando na enfermaria do Hospital, quando aproximei para saber o que estava acontecendo, ela disse que seu pai estava há dois dias dormindo na rua por que não tinha onde ficar. Desde então, decidir que a Casa seria a única solução para o problema”, explicou a Assistente Social.

A ideia foi amadurecida dentro do Grupo de Trabalho Humanizado (GTH), do Hospital Santo Antônio, até que no último dia 13 de abril a Casa de Apoio entrou em funcionamento, com capacidade para hospedar até 10 pessoas por dia, com dormitórios, banhos e alimentação. “O objetivo é hospedar os acompanhantes de pacientes com carinho e dignidade”, destaca Belinha.

Todo o dinheiro que Belinha e Nikelly arrecadam junto à sociedade é rigorosamente administrado, sempre priorizando o pagamento do aluguel, já que o empresário José Mendes, dono de Casas Lotéricas na cidade, arca com as despesas de água e energia. “Muita gente nos ajuda de bom coração, inclusive, os funcionários do hospital fazem vaquinhas no dia do pagamento para ajudar a Casa”, conta Belinha, lembrando que todos os móveis e eletrodomésticos foram doados por amigos.

Durante a visita da reportagem, haviam nove pessoas hospedadas na Casa de Apoio, todas de diferentes cidades, como Coronel Murta e Santo Antônio do Retiro. Uma delas era Manoel Pereira, da Fazenda Taboquinha, município de São João do Paraíso, que estava há 18 dias acompanhando o genro José da Cruz, internado no CTI. “Se não fosse essa casa, a situação seria terrível, pois ficar numa pensão é muito caro”, disse Manoel.

Outra que estava encantada com o projeto social era Deacir Mendes Sarmento, de Salinas, que acompanha a irmã Nair Mendes, de 80 anos, com a perna quebrada. “Estou na casa há 10 dias e nunca tinha visto um trabalho social tão bem feito como este. Realmente é uma benção e as pessoas que tem condições precisam continuar ajudando”, disse Deacir.

As pessoas interessadas em ajudar, podem procurar a Casa de Apoio, que fica localizada na Rua Grão Mogol, nº 78, bem próximo da entrada principal do hospital.

6 comentários:

  1. Muito bom exemplo de humanidade e amor ao próximo,parabéns Belinha e toda a equipe responsável por esta iniciativa.

    ResponderExcluir
  2. São notícias assim que nos fazem acreditar que a humanidade ainda tem solução.

    ResponderExcluir
  3. Nete Martins Meireles10 de agosto de 2016 22:00

    " Parabéns Belinha e toda sua equipe,
    Por seu empenho e iniciativa, fiquei muito sensibilizada por seu trabalho tão lindo e gratificante. Que Deus continue te usando para aliviar o sofrimento do próximo. Um beijão de sua amiga."

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Belinha e sua equipe!To muito feliz e orgulhosa do meu povo,Deus abençoe...

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Belinha pela iniciativa maravilhosa minha querida que Deus te abençoe ricamente.

    ResponderExcluir