Facebook

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Servidor público é assassinado após briga em bar de Fruta de Leite

Popular Cobaia morreu aos 34 anos

Na madrugada de sábado, 1º de agosto, o funcionário público José Alber de Souza, conhecido como “Cobaia”, de 34 anos, foi espancado por três homens após uma briga iniciada em um bar, localizado na Rua Antônio Alcides, em Fruta de Leite.

Conforme a Polícia Militar, os três suspeitos de matar o servidor público foram presos. Ainda conforme a PM, os autores desentenderam com a vítima dentro do bar e um deles, de 23 anos, contou aos policiais que José Alber teria lhe perseguido pela rua com uma faca.

O autor do homicídio relatou ainda que, quando chegou à porta de sua casa, foi iniciada uma briga corporal, ocasião em que José Alber teria lhe acertado um soco no olho. Logo após, conseguiu derrubar a vítima e aproveitou que ele estava caído para desferir vários chutes na cabeça.

Os militares suspeitam que o servidor tenha sido agredido também com uma barra de madeira, que foi apreendida com manchas de sangue. José Alber chegou a ser socorrido no Posto de Saúde, mas não resistiu aos ferimentos.

Os outros dois envolvidos na briga têm 22 e 36 anos. Todos estão detidos na Delegacia de Salinas, onde o crime está sendo investigado pela Polícia Civil.

Nota – A Prefeitura de Fruta de Leite, onde o servidor trabalhava, divulgou nota lamentando o crime. “Nós, servidores municipais da Prefeitura de Fruta de Leite, demonstramos toda a nossa consternação diante da partida do nosso colega “Cobaia”, tendo sua vida ceifada por tão grande brutalidade”, diz trecho da nota.

2 comentários:

  1. O texto acima deve ter uma correção: a vítima não faleceu no posto de saúde e sim no mesmo local onde foi agredido. Ajuda foi encaminhada ao local (equipe da Saúde, médico, motorista, técnico em enfermagem), porém o agressor não permitiu que ninguém tocasse na vítima, mesmo quando já agonizava, dizendo que somente a polícia o tocaria.

    ResponderExcluir
  2. Que barbaridade e selvageria, os agressores merecem prisão "perpétua", pena que os magistrados hoje em dia estão condenando os homicidas com pena inferior a 20 anos, mesmo com as qualificadoras.

    ResponderExcluir