quinta-feira, 31 de julho de 2014

Prefeitura de Montezuma diz não ter documentos de aeroporto construído por Aécio

Pista não tem registro na ANAC
Obra, segundo o Governo de Minas, custou R$ 309 mil
Beneficiada com a pavimentação de uma pista de pouso, a Prefeitura de Montezuma afirma não ter documentos sobre aeroporto, asfaltado pelo governo mineiro, durante a gestão de Aécio Neves (PSDB).

A família de Aécio Neves, senador e candidato à Presidência, tem propriedades rurais em Montezuma. A obra custou ao Estado R$ 309 mil, mas o aeroporto permanece até hoje sem registro na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Segundo o governo de Minas, a regulamentação do aeroporto cabe ao município.

O chefe de gabinete da prefeitura, Flávio Oliveira, disse que a atual administração não encontrou os documentos da pista de pouso após assumir a gestão da cidade no começo deste ano.

De acordo com a prefeitura, que guarda as chaves do aeroporto, o local fica fechado, não tem funcionário para cuidar da pista e não recebeu nenhum voo neste ano.

Na quarta, dia 30, Aécio admitiu ter usado a pista de Montezuma há cerca de dez anos, quando era governador, mas disse que utilizou uma aeronave particular.

Como o aeródromo não está registrado, seu funcionamento não é autorizado. Só poderia ser usado em caso de emergência em voo, para evitar acidentes, segundo a Anac. O uso da pista pode ocasionar multas ao piloto, proprietário da aeronave ou do aeroporto.

Com FolhaPress

Jovem de Taiobeiras morre em acidente com moto

Moto parou há vários metros do local da colisão
Na tarde dessa quinta, dia 31, aconteceu um fatal acidente no bairro Santo Cruzeiro, em Taiobeiras. Conforme a Polícia Militar, o jovem Kênio de Andrade Oliveira, de 26 anos, morreu no local. Ele estava de moto e bateu no veículo da médica Márcia, que atende no PSF do bairro.

Ainda conforme os policiais Aguilar e Vagner, responsáveis pela ocorrência, a colisão aconteceu no cruzamento das avenidas Nossa Senhora de Fátima com JK, onde, geralmente os veículos trafegam com velocidade elevada e a sinalização não é a ideal, motivo de antigas reclamações dos moradores das imediações.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Ex-prefeito de Montezuma é preso por posse de arma

Erival Martins, popular Grande, também é suspeito de apropriar dos bens públicos do município
Momento em que os policiais realizaram a operação
O ex-prefeito de Montezuma, Erival José Martins, popular Grande, foi conduzido à Delegacia de Rio Pardo de Minas sob a acusação de posse ilegal de arma. Ele foi flagrado durante operação das polícias Civil e Militar ao cumprirem Mandado de Busca e Apreensão para investigar a suspeita de furto de objetos e equipamentos públicos, ocasião em que os policiais encontraram a arma.
Durante dois meses, os policiais apuraram denúncias de apropriação de bens públicos por Erival, que teve o mandado cassado em junho de 2013. Conforme o delegado de Rio Pardo de Minas, Luís Cláudio de Freitas, foram os próprios moradores de Montezuma que fizeram as denúncias. “Quando Erival era prefeito, vários móveis e equipamentos eletrônicos sumiram do Balneário que é administrado pela prefeitura. Desde então, nada foi recuperado e a suspeita era de que ele estivesse com todo o material”, explicou o delegado.
Os policias estiveram também em um galpão que pertence ao ex-prefeito. No local estavam guardados colchões, impressoras e aparelhos de ginástica, muito parecidos com os usados nas academias populares, mas todo o material tinha nota fiscal, que será apurada a autenticidade. No sítio de Grande, os policiais encontraram uma espingarda e uma moto com o chassi raspado. Por isso, o ex-prefeito foi preso encaminhado para a delegacia.

Com r7.com

terça-feira, 29 de julho de 2014

Salinas receberá renomado espetáculo infantil: "Piba e o Mundo em Preto e Branco"

Uma das cenas de "Piba e o Mundo em Preto e Branco"

Nos dias 04 e 05 de agosto, acontecerão no Cine Teatro de Salinas duas apresentações do espetáculo "Piba e o Mundo em Preto e Branco", sob a direção de Telma Fernandes. O espetáculo utiliza a linguagem do teatro de sombras para contar as histórias da menina Piba que, devido a um problema de visão congênito denominado acromatopsia, enxerga tudo em preto e branco. É um espetáculo sensível que em primeiro lugar trata da coragem de viver.

Para as pessoas que apresentam alguma dificuldade de visão serão reservadas as primeiras fileiras da plateia e disponibilizado (ainda limitado a dez pessoas) o recurso de um áudio descritivo da peça. No dia 04, a apresentação será às 19 horas e no dia 05 às 09:30hs.

O espetáculo é uma adaptação do livro autobiográfico "Em Preto e Branco", da mineira de Itambacuri, Olga Barbosa da Silva Pereira, que narra suas histórias e dificuldades para enfrentar o dia a dia na infância. Para isso, ela criou uma amiga imaginária chamada Piba que, como ela, era também acromata. Com muito humor, a autora narra suas experiências e travessuras desde a infância quando a doença era praticamente desconhecida, mesmo pelos médicos, até o encontro com outros acromatas pela rede social.

Para contar essa história com criatividade e beleza, a diretora Telma Fernandes, que também assina a adaptação do livro para o teatro, optou por utilizar no espetáculo a linguagem envolvente do teatro de sombras. Valendo-se de seu conhecimento na área de iluminação cênica, Telma abusa dos recursos da luz para criar no palco, imagens, tanto do mundo colorido, como do mundo em preto e branco. O resultado é um espetáculo envolvente que alcança o público de todas as idades.

No elenco Marco Aurélio Bari e Marilene Batista, graduados na Escola de Teatro da EBA/UFMG, dividem também o backstage com o ator sombrista Jo Cometa.

Esse espetáculo inova em Minas Gerais, por sua preocupação em atender também ao público que apresenta alguma dificuldade de visão: a produção oferecerá o  recurso de um áudio descritivo da peça (ainda limitado para 10 pessoas por dia) e as primeiras fileiras da plateia estarão reservadas para esse público.

Três taiobeirenses morrem em grave acidente perto de Barreiras, na Bahia

Fiat Pálio bateu na lateral da carreta

Na madrugada dessa terça, dia 29, aconteceu um grave acidente na BR-242, que liga as cidades de Barreiras e Ibotirama, no oeste da Bahia. O local do acidente é conhecido como Serra da Piragiba, no povoado de Javi, zona rural de Muquém do São Francisco.

Conforme as primeiras informações, o veículo Fiat Pálio, que transportava cinco pessoas de Taiobeiras, estava descendo a serra quando colidiu na lateral de uma carreta e três pessoas morreram: Bernardino Sena, o popular Bernardino da oficina; o seu cunhado Geraldo Sena e um amigo, identificado por Vá.

Outros dois ocupantes do Pálio ficaram feridos e foram levados para o Hospital Municipal de Ibotirama: a sobrinha de Bernardino, Edna Caldeira Sena, que está internada e seu filho Henrique, de 8 anos, está sob os cuidados da Assistência Social.

A informação é de que as vítimas estavam retornando do estado de Tocantins para Taiobeiras.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Aécio construiu “aeroporto fantasma” em Montezuma, pertinho de sua fazenda

Aeroporto inútil em Montezuma. Obra do Governo de Minas fica pertinho da Fazenda de Aécio Neves

Montezuma tem 7.500 habitantes, apenas 27% das residências contam com rede de esgoto, muitas ruas ainda estão na poeira, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é considerado baixíssimo, apenas de 0.587. Mas, a cidade possui um aeroporto com pista asfaltada, licitada em 2008, quando Aécio Neves era governador.

Detalhe: o aeroporto fica pertinho da fazenda Perfil Agropecuária, de 950 hectares. A propriedade era do pai de Aécio, o falecido Aécio Cunha. As terras eram consideradas públicas e foram alvo de um polêmico processo de usucapião.

Nossa reportagem está colaborando com a Revista Veja na produção de uma reportagem sobre o aeroporto. Muitas polêmicas estão sendo levantadas, como a utilidade da obra, que atualmente está jogada às traças. Foi a única obra de aeroporto licitada pelo governo de Minas em 2008.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Polícia Civil prende suspeito de abusar de crianças em Taiobeiras

Investigadores apresentam o acusado Elismar (ao centro). Ele tem 39 anos
Policiais civis de Taiobeiras prenderam Elismar Barbosa, de 39 anos, acusado de ter cometido cinco estupros. Os crimes aconteciam desde 2012. Na época, as vítimas dos abusos tinham entre cinco e oito anos. Duas são sobrinhas dele e as outras são vizinhas. As crianças passaram por exames médicos que comprovaram a violência. O suspeito teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.

O delegado Alessandro Lopes explica que a polícia tomou conhecimento do caso depois que uma irmã das duas sobrinhas do suspeito fez uma denúncia. Ela desconfiou do comportamento estranho das menores e, como o tio também tentou filmá-la enquanto ela tomava banho há algum tempo, a mulher resolveu denunciá-lo.

"Os abusos eram cometidos em vários lugares. Ele colocava as crianças no carro e as levava para casa e pedia para que as filhas, que também são menores, saírem para comprar algo, aproveitando desse momento para violentar as vítimas. Outras vezes ia com as vítimas para um matagal, conhecido como Barragem de Cima, e para as obras nas quais ele trabalhava, visto que é pedreiro. Ele também usava a casa da mãe dele."

Alessandro Lopes diz que o suspeito aproveitava da confiança que os pais das vítimas tinham nele para não levantar suspeitas. Além disso, como as filhas dele eram amigas das vítimas, também aproveitava dessa proximidade para abordar e violentar as crianças.

Não há comprovação de que o suspeito abusava das filhas e nem que havia conivência dos pais das vítimas.

"Para que as crianças não falassem nada ele as ameaçava com um cachorro da raça pitbull e também dava para elas pequenas quantias em dinheiro, inferiores a R$ 5."

Em um dos depoimentos, uma das menores conta que Elismar colocou um filme pornográfico e pediu para que a garota fizesse o que ela estava vendo na televisão.

A mãe de uma das vítimas conta que nunca desconfiou de nada. "Teve apenas um dia que notei que a minha filha estava triste, perguntei para ela o porque e percebi que chorou, mas mesmo assim não me falou nada. Ela, que gostava de jantar e assistir televisão, tomou banho e logo quis dormir."

Sobre a revolta em relação à violência sofrida pela garota, a mulher diz que "se pudesse teria passado por tudo isso no lugar dela, meu coração dói demais quando olho para ela. Ele deveria ter pensado, já que também é pai. Para continuar a viver estou fazendo da fraqueza a força."

Além de sofrer pela violência cometida contra as duas filhas, uma outra mãe, que não quer ser identificada, diz que é um situação muito constrangedora, pois também é irmã do suspeito. "Só quem sente a dor sabe o que é. Ele tem que pagar pelo que fez, quero justiça", desabafa.

Estupro
O homem também é suspeito de uma tentativa de estupro, ocorrida em abril de 2013. Uma adolescente de 14 anos seguia da casa dela para encontrar as amigas em uma praça, quando foi abordada por ele. Ela foi levada para um lote vago e ele ordenou que ficasse calada. O abuso só não aconteceu porque o celular da menor tocou e assustou o criminoso. A garota conseguiu fugir.

"A vítima da tentativa de estupro esteve na delegacia e reconheceu o suspeito. Desconfiamos que outras pessoas também podem ter sido abordadas ou violentadas por ele, por isso pedimos que a população acione a Polícia Civil e denuncie", destaca o delegado.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

A corrupção persiste porque dá lucro

Artigo do professor Levon do Nascimento
A corrupção é um fenômeno recorrente em todos os modos de produção historicamente conhecidos. Mas é no capitalismo que ela se encontra mais plenamente identificada.

Engana-se quem associa corrupção apenas a defeitos de caráter individualizados ou a uma prática cultural de determinado povo. Não é só no Brasil que há corrupção. Nem os brasileiros são os seres humanos mais suscetíveis a esta praga social. Não é correto dizer que A e B tem propensão a serem corruptos porque são eticamente mais fracos do que C e D. Não é uma questão meramente de moral. É de contexto e de conjuntura sócio-econômica.

O capitalismo, mesmo legalmente e culturalmente estabelecido, é essencialmente corrupto porque sobrevive da expropriação do “mais valor” do trabalhador pelo proprietário dos meios de produção. O que gera e agrega valor ao produto ou serviço é o trabalho humano. Assim sendo, para se manter o sistema de lucro, é necessário “tomar indebitamente” de uma imensa parcela da sociedade o valor excedente de seu labor. E tudo isto se faz à luz de Constituições e leis plenamente reconhecidas pelo Estado Democrático de Direito. E, além da legalidade, a consciência moral não se culpa, pois a relação proprietário/proletário é moralmente e culturalmente aceita como correta e normal. O que faz levar à conclusão de que a corrupção não acontece tão somente quando o ato é ilegal e criminoso. Ela é mais profunda, está na raiz da estrutura social e dirige até mesmo as noções éticas de certo e de errado.

Quando se foca na ideia de que a corrupção se dá apenas na decadência moral de indivíduos (políticos, funcionários públicos ou privados, líderes sociais e religiosos corruptos), perde-se de vista que junto aos corrompidos há também, com maior força, os corruptores. Em geral, eles representam os “players” do capitalismo: são as empreiteiras que levam vantagens em licitações governamentais, os bancos que, por meio de lobistas, definem as políticas macroeconômicas de todas as nações (ricas e pobres, desenvolvidas ou não), a indústria bélica que leva nações inteiras à guerra, no intuito de vender armas, a propaganda e a desinformação midiáticas, além das já conhecidas indústrias do tráfico: de drogas, de pessoas, do sexo etc.

A corrupção persiste porque dá lucro. É o empreendimento mais rentável do mundo do capital. Como não é recomendável que se coloque “remendo de pano novo em roupa velha, pois o remendo forçará a roupa, tornando pior o rasgo” (Mateus 9,16), também não se acaba com a corrupção sem se destruir o capitalismo. É algo bem mais amplo do que falar de prisão, impunidade e repressão. É mudança de posturas e de paradigma.

* Levon do Nascimento é sociólogo e professor de História.

sábado, 19 de julho de 2014

Balneário de Montezuma: antes depreciado, hoje abandonado

Depois de 2 anos, obras de revitalização continuam paralisadas
Obras ficaram pelo caminho e desde 2012 que o balneário está fechado
A cidade de Montezuma era famosa em toda Minas Gerais e Sul da Bahia devido as suas águas termais, que atraiam muitos turistas nos finais de semana e feriados, movimentando o comércio local, gerando empregos e renda para a população, pois em algumas ocasiões chegavam à cidade até 30 ônibus com turistas, atraídos pelas águas quentes, com temperatura entre 37 e 41º C. Mas, sob o pretexto de revitalização, o ex-prefeito Erival Martins, popular Grande, fechou o balneário para iniciar as obras. Fechou e não abriu mais.

A obra de revitalização, orçada em R$ 1,7 milhão, oriundos do Governo de Minas, prometia modernizar o balneário, aumentar as piscinas e outras diversas melhorias, como a geração de até 300 empregos diretos. Na época, o então prefeito Grande anunciou a titulação do balneário, considerado como fundamental para o projeto de revitalização. Ele chegou a dizer que a “revitalização do balneário é a revitalização de Montezuma”.

Pois bem, a obra foi licitada e a vencedora foi a Construtora JRN Ltda. Em agosto de 2012, a empresa recebeu a 1ª bolada, R$ 258 mil. Em outubro do mesmo ano recebeu mais R$ 43 mil. Os trabalhos estavam sendo feitos, devagar mais estavam. Em abril de 2013, a construtora pegou mais R$ 48 mil. Em setembro, mais R$ 139 mil. Em outubro embolsou mais R$ 83 mil. E por fim, em novembro de 2013, foram pagos mais R$ 128 mil para a JRN. No total, a construtora recebeu pouco mais de R$ 700 mil.

Agora, em 2014, a população se depara com um caos total no balneário. As piscinas estão quebradas, a “casa de madeira” foi totalmente destruída e o matagal tomou conta do ambiente. Resultado: o turismo acabou na cidade e o comércio está arcando com as consequências.

Em maio de 2009, quando a Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa realizou audiência pública em Montezuma para debater a revitalização do balneário, a estudante da Escola Estadual Herculano Martins, Micaela Ladeira Silveira, comoveu as autoridades presentes ao apresentar seu temor em torno do projeto, parecia que ela estava prevendo o eminente problema.

Conforme a atual administração, a obra está sob análise técnica e jurídica por parte da Secretaria de Transportes e Obras Públicas de Minas Gerais – SETOP, que deverá concluir os pareceres para serem tomadas as devidas providências, ficando a esperança de que a obra seja reiniciada. “Certo é que, a administração anterior fez inúmeras alterações no projeto inicial e isso gerou sérios problemas”, relata o procurador do município, Dr. Marcelo Colares.
Atual administração está tentando solucionar os problemas no convênio para retomar a obra

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Sem o apoio da Prefeitura, Festival da Cachaça começa hoje em Salinas

Cartaz do evento
Na força e na raça, os produtores das famosas cachaças de Salinas se uniram para realizar o 13º Festival Mundial da Cachaça, que será iniciado na noite dessa sexta (18) até domingo (20). Pela 1ª vez, a Associação dos Produtores de Cachaça Artesanal de Salinas (APACS) não recebeu nenhum apoio financeiro da Prefeitura Municipal, por isso, não haverá show de renome nacional neste ano.

Nos bastidores, circula a informação de que o prefeito Kinca Dias retirou o tradicional apoio à APACS devido “problemas” no Festival de 2013, quando o show de “Vitor e Léo” gerou terrível desgaste político para o prefeito, especialmente pelo tal camarote para políticos e companheiros, além de muitas críticas em relação à sonorização. O prefeito também teria ficado chateado por ter ficado de fora de uma reportagem feita pela revista do SEBRAE.

Inicialmente, o prefeito Kinca demonstrou resistência até mesmo para ceder o espaço da Passarela da Alegria para realizar o festival. Ele queria que o evento fosse realizado no Aniversário de Salinas, no mês de outubro, mas a APACS não concordou. Uma fonte declarou à Folha Regional que o apoio da Prefeitura de Salinas aparece no material de divulgação do Festival, “mas o prefeito não deu nenhum centavo para o evento”.

Fora da política, a expectativa é de que o Festival continue atraindo turistas para Salinas, especialmente após a conquista do Certificado de Registro de Indicação Geográfica da bebida concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O Selo está sendo usado por 27 marcas chanceladas pela Apacs até o fim de 2015.

A programação do Festival foi iniciada na manhã dessa sexta, com visitação dos turistas ao Museu da Cachaça. Nessa sexta, os turistas farão também o roteiro turístico, com visitas aos alambiques das marcas Canarinha, Havana, Tábua e Seleta. Às 20 horas, acontecerá nos estandes a solenidade de abertura, com pronunciamentos de produtores e autoridades. Às 23 horas, show com Sandro Matos.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Forró do Pindaíba amplia programação

Programação deste ano apresenta seis atrações musicais
A 18ª edição do Forró do Pindaíba, evento realizado pelos funcionários do Grupo Italmagnésio, terá a sua programação ampliada, com mais atrações e maior estrutura. Pela primeira vez, o evento será realizado em dois dias: 25 e 26 de julho.

Dentre as atrações, destaque para a banda “Rasta Chinela” e para o forrozeiro Sandro Matos, além das atrações locais: Advaldo Cruz, TIM dos Teclados, Kanela Forte e DJ Márcio Thibiron.

A organização anuncia também o reforço da segurança, ampliação do serviço de bar e sonorização profissional. “Estamos ampliando uma das festas juninas mais tradicionais da região”, disse Ednaldo Santos, produtor do evento.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Advogado da Prefeitura de Montezuma apresenta a dura realidade encontrada no município

Dr. Marcelo relata a caótica situação encontrada no município de Montezuma

O prefeito de Montezuma, Ivo Alves Pereira, eleito em eleição extemporânea realizada no último dia 1º de dezembro, apresentou relatório da sobre a caótica situação encontrada na Prefeitura Municipal. Ivo assumiu o comando do município após a cassação do então prefeito reeleito, Erival Martins, popular Grande, que foi retirado do cargo pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob acusação de compra de votos.

O relatório foi apresentado pelo procurador jurídico da prefeitura municipal, Dr. Marcelo Colares, na Tribuna da Câmara Municipal (foto), quando o advogado fez uma resumida prestação de contas do início do mandato, apresentando cópias dos demonstrativos contábeis aos vereadores.

Na ocasião, Dr. Marcelo ressaltou que a recente administração foi profundamente prejudicada com a falta de transição, não sendo possível promover completo levantamento da situação da prefeitura, muito menos preparar os atos de iniciativa do novo prefeito. “A negativa da Administração anterior em possibilitar a transição efetiva, com as condições necessárias de trabalho, ainda causa grandes dificuldades e prejuízos à atual Gestão”, lamentou o procurador.

Outros fatos relatados pelo advogado foram as irresponsáveis dilapidações do patrimônio público, inclusive da frota de veículos, o que motivou diversas ocorrências policiais. “A Secretaria de Transportes foi recebida com veículos sucateados em quase toda totalidade, sem acessórios, como por exemplo, chaves de rodas, macacos e pneus de socorro. O carro do gabinete foi encontrado batido e veículos que integram o patrimônio público estavam fora do município e sem nenhuma informação quanto ao destino”, relatou Dr. Marcelo.

Outra enorme dificuldade encontrada foi no Setor Contábil, onde a nova administração ficou todo o mês de janeiro sem nenhum acesso ao banco de dados do município. “O acesso somente era permitido à empresa HLH, que prestou assessoria às gestões anteriores”, disse Dr. Marcelo, lamentando o enorme atraso no início dos trabalhos do prefeito Ivo.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Setor de Saúde em Taiobeiras é alvo de críticas

Reclamações contra falta de remédios são constantes

No mandato do ex-prefeito de Taiobeiras, Denerval Germano da Cruz, o setor de Saúde era a prioridade da Administração. Mas, depois que o prefeito Danilo Mendes assumiu o município, estão surgindo muitas reclamações e a reportagem da Folha Regional vem sendo constantemente acionada por cidadãos para reclamar, especialmente da falta de medicamentos, de exames e da ausência de médicos nos PSF’s da cidade.

Diariamente, dezenas de pessoas ficam horas na fila dos PSF’s à espera de atendimentos. As maiores reclamações são em relação ao PSF do bairro Planalto, Bom Jardim, Santo Cruzeiro e Mirandópolis. Muitos relatam que sempre faltam médicos, e quando aparecem atendem por poucas horas e desaparecem o resto do dia.

Outra grande reclamação é em relação à falta de medicamentos, que sempre estão em falta. Existem relatos que faltam até medicamentos controlados. Os cidadãos também reclamam, e muito, da falta de exames, que geralmente são distribuídos nos primeiros dias do mês e acabam.

O relato da moradora Cleusa Braga Santos, do bairro Planalto, demonstra claramente a indignação da população carente com o setor de Saúde. “A cidade paga uma fortuna para ter show na Festa de Maio e não paga um médico para atender o povo do Planalto”, detona Cleusa. “O enfermeiro faz o que pode, mas não resolve. O povo não aguenta mais ser empurrado de um lado para outro e eu me sinto culpada, pois votei na incompetência”, completa a moradora em mensagem enviada para a redação.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Vereador de Taiobeiras denuncia irregularidades na distribuição de caixas d’água

Doação deveria ser apenas para famílias carentes, mas fazendeiro irrigante foi beneficiado
Vereador fotografou casa de alto padrão na zona rural com uma caixa d'água do Governo Federal
O vereador de Taiobeiras, Sebastião Pereira, popular Tião do Ônibus, procurou a redação da Folha Regional para denunciar graves irregularidades na distribuição de caixas d’água fornecidas pelo Governo Federal. Conforme o vereador, as caixas deveriam ser distribuídas apenas para famílias carentes, mas em Taiobeiras foi entregue até para grande produtor rural. “Tem caixa d’água até em fazenda de grande produtor, com irrigação, barragem e trator”, denuncia Tião do Ônibus. “Isso é uma sacanagem, pois o município tem centenas de famílias passando dificuldades por causa da seca”, completou.

Família com carro, casa boa e tratores ganha caixa d'água
Como prova, o vereador apresentou à reportagem um CD com várias fotos de uma grande fazenda na comunidade de Itaberaba, com uma das caixas instaladas. “Isso é revoltante, pois a fazenda tem de tudo e as caixas são destinadas apenas para famílias com renda per capta de 140 reais por mês”, reclama Tião. 

Conforme o Programa Água Para Todos, só pode receber a caixa famílias inscritas no Cadastro Único do Governo Federal, que não seja atendida por outra fonte hídrica adequada para consumo humano e aposentados rurais.

Fazenda com tratores e irrigação é beneficiada com caixa d'água do Governo

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Depois de abandonada, Escola Técnica é saqueada

Fornecedores arrancaram ferragens para cobrir prejuízos e populares levaram o que podiam
Unimontes promete terminar a obra, mas poderá ser preciso uma nova licitação

A população de Taiobeiras assiste passivamente a paralisação das obras da Escola Técnica de Educação Profissional, que vinha sendo erguida no bairro Newton Júnior, com orçamento de R$ 7,9 milhões. A construtora Caminho Engenharia e Construção, do estado de Goiás, simplesmente abandonou a obra, sob alegação de que a Unimontes não estava efetuando os pagamentos devidos.

Os operários foram demitidos. E, para piorar a situação, a informação é de que existe uma dívida em torno de R$ 300 mil com fornecedores. O prazo para a conclusão da obra era o último dia 14 de maio, mas os trabalhos sequer estão na metade.

Com o abandono da obra, os fornecedores, prevendo prejuízos, recolheram os materiais possíveis no canteiro, especialmente ferragens. A Polícia Militar esteve na obra e registrou as reclamações dos operários e a retirada dos materiais.

Um dos operários, que pediu para não ser identificado, afirmou à reportagem que funcionários de uma loja de materiais de construções de Taiobeiras estariam retirando as ferragens armadas em uma laje para cobrir a falta de pagamento na venda de cimento para a construtora. “A loja entregou muito cimento aqui, mas como não recebeu o pagamento, eles estão arrancando as ferragens para cobrir o prejuízo”, disse o operário.

Com o abandono da obra, vários populares adentraram ao canteiro e passaram a retirar o que encontraram pela frente, com madeiras, tábuas e fios.

Em nota, o prefeito Danilo Mendes admitiu a paralisação da obra e confirmou que a construtora alega falta de pagamento por parte da Unimontes, por isso, permitiu aos comerciantes retirar o material adquirido. “A Unimontes afirma que tem problemas nas seis escolas que a empresa está construindo no Estado e já se discute uma nova licitação para a continuação das obras”, diz a nota do prefeito.

O professor Juventino Ruas de Abreu Junior, da Pró-Reitoria de Planejamento, Gestão e Finanças da Unimontes, esteve em Taiobeiras e garantiu que a obra será concluída. Segundo ele, o contrato com a construtora Caminho Engenharia foi encerrado e a Unimontes convocará as próximas empresas classificadas na licitação ou providenciará a abertura de novo processo licitatório.

A reportagem tentou falar na sede da construtora, na cidade de Goiana, mas ninguém atendeu ao telefone.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Procurador alerta para riscos de novos minerodutos em Minas

Potencial de danos sócio-ambientais dos empreendimentos preocupa o Ministério Público
Traçado dos 482 km do mineroduto que ligará a região ao Porto de Ilhéus
Nos próximos anos, Minas Gerais pode ter mais quatro minerodutos – sistemas de tubulação para transportar minério de ferro, ligando a mina ao porto – de grande porte cortando dezenas de seus municípios. Juntos, eles cortarão 98 municípios em quatro Estados (Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia), sendo que 70 dessas cidades são mineiras. Por sua extensão – todos com mais de 400 Km –, pelo número de municípios atingidos, pelo potencial de danos sócio-ambientais que causarão e pelo grande consumo de água necessário para colocar essas estruturas em funcionamento, os projetos já preocupam os Ministérios Públicos Estadual (MPMG) e Federal (MPF-MG).

A perspectiva de mais quatro minerodutos em Minas Gerais está me deixando de cabelo em pé pelas inquietações sociais e ambientais que esse tipo de obra provoca”, diz o procurador da República do Ministério Público Federal em Minas Gerais (MPF-MG), José Adércio Leite Sampaio.

Três projetos ainda não têm sequer a licença prévia (LP) – que atesta a viabilidade do projeto – e outro, o da Anglo American, já aguarda a licença de operação. Contra esse, o procurador já ajuizou uma ação na Justiça, e assinou um Termo de Ajustamento de Conduta pedindo que a empresa repare os danos causados aos moradores e ao meio ambiente antes de começar a operar.

Juntos, os quatro novos minerodutos terão capacidade para transportar cerca de 100 milhões de toneladas de minério por ano. Eles irão se somar aos três minerodutos já operados pela Samarco. O mais recente entrou em operação no início deste mês e tem cerca de 400 Km entre Mariana (MG) e Anchieta (ES), com capacidade para 20 milhões de toneladas anuais.

Depois do projeto Minas-Rio, da Anglo American, previsto para entrar em operação no fim do ano, o mais adiantado é o do Vale do Rio Pardo, da Sul Americana de Metais (SAM). A empresa já entrou com o pedido de licenciamento no Ibama e a expectativa é obter a LP ainda neste ano e colocar a tubulação para funcionar em 2017. O projeto liga a mina em Grão Mogol, no Norte de Minas Gerais, ao porto em Ilhéus (BA). O mineroduto tem autorização para captar 6.200 m³ de água por hora em uma região que tradicionalmente sofre com secas e tem dificuldades para manter até o abastecimento regular à população.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Absurdo: Prefeitura de Taiobeiras nega transporte para artesãos participar do Festivale

Peças de artesãos taiobeirenses foram levadas para o Festivale em ônibus da Transnorte
Uma turma de artesões e artistas taiobeirenses está revoltada com o prefeito Danilo Mendes, de Taiobeiras, que simplesmente negou a concessão de um veículo para levá-los à Araçuaí, onde está sendo realizado o FESTIVALE 2014. Os artistas lembram que é a 1ª vez que um prefeito de Taiobeiras nega o veículo para a atividade artística.

A reportagem flagrou renomados artesãos de Taiobeiras carregando suas caixas para embarcar no ônibus da Transnorte até Salinas, onde pegarão outro ônibus com destino à Araçuaí às 14 horas. Sem transporte adequado, os artesãos correm o risco de quebrar as peças durante a viagem.

Outros artistas, como Ronaldo Saturnino e Fabiano Alves estão dividindo aluguéis de veículos e combustíveis. A revolta da classe é enorme!

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Cadê Denerval?

Ex-prefeito Denerval Germano anda sumido do mundo político
O mundo político em Taiobeiras vive a expectativa de saber o que o ex-prefeito Denerval Germano fará nas eleições deste ano. Já que ele não será candidato, para quem será o seu apoio? Caso não peça votos para Bernardo Santana, o prefeito Danilo, sua cria, terá sérios problemas com as urnas...

terça-feira, 24 de junho de 2014

Raquel na corrida eleitoral

Raquel percorre o Alto Rio Pardo
A primeira-dama de Montes Claros, Raquel Muniz, está percorrendo todo o Norte de Minas para promover a sua pré-candidatura a deputada federal pelo Partido Social Cristão (PSC). No Alto Rio Pardo, ela já conseguiu apoio de várias bases eleitorais, especialmente de grupos oposicionistas, a exemplo de Rio Pardo de Minas, onde está conseguindo a adesão de quase todas as lideranças.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Cachaças de Salinas já estão usando Selo de Identificação Geográfica


Ana Paula, da cachaça Nova Aliança, recebe Selos do Presidente da Apacs, Eilton Santiago

SALINAS – O mês de maio ficará marcado como o início do uso do Selo de Identificação Geográfica (IG), modalidade Procedência, nas garrafas de cachaças artesanais dessa cidade. Os selos distribuídos aos produtores credenciados, geram expectativas de aumento das venda, já que o consumidor terá garantias de que a bebida identificada com o selo tem produção certificada e qualidade superior. “Um dos retornos esperados pelos produtores é a agregação de valor à bebida, com expectativa de aumento no consumo e no valor”, disse Eilton Santiago, presidente da Associação dos Produtores de Cachaça Artesanal de Salinas (Apacs), lembrando que, até então, apenas as cachaças da região de Paraty/RJ eram certificadas.

O registro de IG foi concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) à Apacs em 2012, mas só agora o Selo será chegou aos produtores. Das 60 marcas produzidas na região de Salinas, 27 terão o direito de utilizar o selo entre 2014 e 2015. "Foram quase dois anos de estudos, pesquisas, adequações e análises de processos para colocarmos no mercado as primeiras garrafas com o selo de IP”, disse Nivaldo Gonçalves, responsável pela comissão de registro do Selo IG em Salinas.

A validade do certificado é de um ano e, após este período, é feita nova avaliação nas unidades produtoras para verificar se a fabricação continua dentro dos padrões estabelecidos pelo comitê gestor de IG, composto por nove pessoas, sendo seis associados à Apacs e três membros das instituições SEBRAE, Emater-MG e o Instituto Federal do Norte de Minas – IFNMG.

Logo no 1º ano, a Apacs espera comercializar 3,3 milhões de garrafas de cachaça artesanal com o selo de procedência, o que corresponde a cerca de 2,2 milhões de litros da bebida. "Cada marca autorizada a utilizar o selo terá código próprio de identificação, que pode ser utilizado pelo consumidor para identificar a autenticidade da cachaça. Para isso, basta que ele acesse o site da Apacs", explicou Eilton, informando ainda que a Apacs está criando também uma rede de revendas autorizadas em grandes cidades brasileiras, com o intuito de ampliar a comercialização da bebida certificada.